25 de outubro é o Dia da Memória de Parnaíba

25 de outubro é o Dia da Memória de Parnaíba, em homenagem ao escritor maranhense, Humberto de Campos, que viveu parte de sua infância na cidade de Parnaíba, onde plantou um cajueiro que ficou eternizado em sua obra - Memórias.

O cajueiro continua preservado em uma praça do centro da cidade de Parnaíba, onde no mês de outubro recebe homenagens do Movimento Espírita, por ocasião da Semana Espírita Humberto de Campos.

Neste sábado, 28 de outubro, às 19:30h, será realizado na Praça do Cajueiro a palestra de encerramento da XXVIII edição da Semana Espírita Humberto de Campos, com o tema - O Espiritismo e a transformação da Humanidade.

A proposta foi apresentada à Câmara Municipal de Parnaíba pelo, então,  vereador Iweltman Mendes na sessão de 8 de outubro de 2008.

Proponentes: Jornal cultural O Bembém, através de seus editores: Benjamin Santos, Diego Mendes Sousa e Tarciso Prado; Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico da Parnaíba (IHGGP), através de sua Presidenta, Filomena Bezerra; Centro de Ação e Integração Social (CAIS), através de seu Presidente, Fernando Silva; Movimento Espírita de Parnaíba, através de Dora Rodrigues.

Justificativa para a aprovação da lei para instituição do Dia da Memória de Parnaíba, escrita por Benjamin Santos

Em 1933, foi lançado na cidade do Rio de Janeiro, um livro que seria dos mais vendidos naquele ano em todo o Brasil: Memórias, do escritor Humberto de Campos. Até hoje, passados 75 anos, é o livro mais popular do autor e aquele que toca mais fundo o coração do povo parnaibano.

Em suas Memórias, Humberto de Campos relembra a Parnaíba de sua época, cidade em que viveu parte de sua infância e adolescência. Parnaíba está presente em quase todo o livro, refletida com emoção e profunda sensibilidade. Em suas páginas, encontra-se o mais sensível e afetuoso documento sobre a cidade no final do século XIX: o centro da cidade, os costumes, o processo educativo, o comércio, os Morros da Mariana, a Pedra do Sal...

Tudo isso fez de Memórias uma fonte indispensável para qualquer estudo sobre a Parnaíba de 110 anos atrás. Com o sucesso das vendas durante mais de vinte anos, foi através desse livro que a Parnaíba correu o país e emocionou brasileiros d todas as regiões.

Tudo começou quando o menino Humberto chegou à Parnaíba em companhia de sua mãe e uma irmã. Vieram para morar, depois da morte do chefe da família, o pai de Humberto. Aqui, o menino morou cerca de oito anos, estudou nas melhores escolas e, certo dia, plantou uma castanha de caju no quintal de sua casa. Em pouco tempo, a castanha germinou e fez crescer o mais frondoso cajueiro da cidade.

Tempos depois, no Rio de Janeiro, adotando apenas o sobrenome da família de sua mãe, tornou-se o mais popular escritor brasileiro da primeira metade do século XX. E jamais esqueceu a Parnaíba.

Com seu livro de memórias foi o primeiro escritor a tornar o nome da Parnaíba conhecido em todo o Brasil. E o cajueiro que ele havia plantado em 1893 continua belo, frondoso, florescendo e oferecendo frutos durante o verão, retrato emocionante da Parnaíba de outrora.  

Nos dias atuais, quando o Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional concretizou o tombamento de grande parte do nosso patrimônio arquitetônico e ambiental, faz-se urgente que lutemos pela preservação geral de nossa Memória em todos os níveis. Como forma de incentivo a essa preservação , propomos que o Dia do Nascimento de Humberto de Campos, 25 de outubro, passe a ser designado por lei como o Dia da Memória da Parnaíba.

Será uma forma dessa cidade homenagear aquele que primeiro registrou aspectos de sua História a nível nacional e de relembrar aos nossos concidadãos que nossa História tem de ser continuamente estudada e relembrada, para que continue viva.  

                                                                                        *       *         *

Sancionada pelo prefeito José Hamilton, a 10 de novembro de 2008, a lei número 2449, entrou em vigor na mesma data, a partir de quando ficou “instituído o Dia da Memória da Parnaíba, a ser celebrado anualmente dia 25 de outubro”.

Art. 1º - Fica instituído no Município o Dia da Memória da Parnaíba, a ser celebrado anualmente dia 25 de outubro.

Art. 2º - Durante o Dia da Memória da Parnaíba deverão ser desenvolvidas ações e promoções que difundam, fortaleçam e resgatem a História do Município.

Art. 3º - As atividades alusivas ao Dia da Memória serão observadas pelo Poder Público Municipal através das Secretarias da Cultura e da Educação em integração com instituições literárias, históricas e jornalísticas do Município.

Lei entra em vigor na data de sua publicação.

 
Dora Rodrigues

 

Por: espiritismo