Papa Francisco: "Não se espantem com as tatuagens"

No dia 19 de março de 2018, o Papa Francisco teve um encontro pré-sinodal em Roma, com cerca de 300 jovens de diversos continentes. Alguns tiveram a oportunidade de fazer perguntas, entre eles, o seminarista Yulian Vendzilovych, da igreja greco-católica ucraniana. Ele perguntou ao papa:

Na sua opinião, como um jovem que está se preparando para o sacerdócio e quer estar aberto à juventude e à cultura de hoje deve se preparar para entender o que é valor na cultura e o que é falso? Por exemplo, a tatuagem, para um grupo de pessoas, expressa a verdadeira beleza, mas para outro é um exemplo de cultura que é difícil de aceitar e entender. Como um jovem pastor deve reagir às complexas circunstâncias da cultura de hoje?

Fonte: O Catequista

A doutrina espírita não condena e muito menos diz que é errado ou não. O espiritismo apenas orienta e explica as consequências de determinados atos e atitudes. O Espiritismo esclarece e conscientiza.

A tatuagem não define o caráter de uma pessoa, porem alguns desenhos promíscuos, sensuais ou com palavras chulas podem atrair preconceito e espíritos funestos.

“Todo corpo físico merece respeito e cuidados, carinho e zelo contínuos, por ser a sede do Espírito, o santuário da vida em desenvolvimento.” (Joana de Ângelis)

Tatuagem e doutrina espírita

O Espiritismo também enxerga o corpo como um templo, apesar de ser material e apenas um estado, e não eterno, o corpo deve ser cuidado e preservado. O espírito utiliza a matéria (corpo físico) para viver as experiências propostas nesta encarnação.

O processo da realização da tatuagem ou piercing inclui perfurar a pele, ou seja, doenças podem ser transmitas caso o equipamento não seja devidamente esterilizado. É um processo doloroso, que causa lesões na pele. O equipamento também, geralmente, entra em contato com o sangue.

Segundo Divaldo Pereira Franco, pessoas que tatuam o corpo inteiro ou o enchem de piercings, são almas que ainda trazem reminiscências vivas de encarnações em épocas bárbaras, quando guerreiros sanguinários se utilizavam desses meios para se impor frente aos adversários.

Essa afirmação de Divaldo não serve para todos os casos. Muitas vezes adolescentes que estão em época de formação de opinião fazem tatuagens por estar na moda, ou querendo expressar algum sentimento ou opinião.

Curiosidade

A tatuagem é muito mais antiga do que se pensa, diversas tribos utilizavam desenhos corporais por inúmeros motivos.

Por exemplo, alguns povos africanos a utilizam com fins terapêuticos, para introduzir medicamentos diretamente no corpo. A prática também é verificada em ritos de passagem. Em algumas tribos do Sudão, por exemplo, as mulheres são submetidas a três processos de escarificação: aos 10 anos elas marcam o peito, na primeira menstruação é a vez dos seios e, após a gestação, são marcados os braços, as pernas e as costas.

Já na Índia, outro país em que a tatuagem é uma tradição milenar, a desenvolveu também a chamada mehndi, pintura corporal com o pigmento natural de henna. Mas, nesse caso, os desenhos duram no máximo uma semana – por isso a técnica costuma ser usada quase que exclusivamente com fins decorativos, para ocasiões especiais como casamentos,

No Taiti, de acordo com a mitologia da região, foram os deuses que ensinaram aos homens a arte de tatuar – que, por isso, deve ser executada seguindo à risca uma liturgia especial. Aos homens, por exemplo, é permitido tatuar o corpo todo, enquanto as mulheres só podem marcar o rosto, os braços e as pernas. Na Polinésia em geral, a tatuagem costuma ser usada como símbolo de classe social

Países como Japão,  Nova Zelândia também utilizavam desenhos corporais há muitos anos.

 

Fonte: Radioboanova