Assassinos de frentista condenados a mais de 35 anos de prisão

Após intensa investigação da Polícia Civil do Piauí, através do então 1º Distrito de Parnaíba e do Núcleo de Inteligência da Planície Litorânea, foi elucidado o delito de latrocínio que vitimou o frentista Francisco José Rodrigues.

O inquérito foi presidido pelo DPC Igor Gadelha, com posterior denúncia apresentada pelo Ministério Público, junto a 1ª vara criminal de Parnaíba, cuja titular é a Dra. Maria do Perpétuo Socorro Ivani de Vasconcelos, resultando na condenação dos réus a mais de 35 anos de reclusão.

O crime ocorreu em 16 de março de 2016, às 11h30 da manhã, em pleno centro da cidade litorânea, na loja Mesquita Variedades, o que chocou e revoltou a sociedade parnaibana.

Foram condenados os réus José Rodrigo dos Santos (atirador), Erismar Carvalho Pereira (piloto da motocicleta), Silvio Portela Mendes, vulgo “Sirley” (atualmente foragido), Paulo Augusto Silva Freitas Ibiapina, vulgo “Gugu” e Flávio Kleber Siqueira da Silva, vulgo “Serginho” (atualmente foragido), todos com pena superiores a 35 anos de prisão.

No 16 de março de 2016, por volta das 11h30, a vítima Francisco José Rodrigues, transportava um malote com dinheiro e cheques do posto em que trabalhava, quando foi abordada por dois elementos que estavam em uma motocicleta.

Na ocasião a vítima correu para dentro da loja Mesquita Variedades, entretanto José Rodrigo, garupa da motocicleta, a seguiu, e desferiu vários disparos de arma de fogo, tomando o malote em poder da vítima, fugindo em disparada com os comparsas que davam apoio nas proximidades. O frentista morreu no local.

A investigação da Polícia Civil e denúncia do Ministério Público provou a autoria contra os acusados, individualizado suas condutas, o que resultou na condenação a pena elevada.

Segundo os Agentes de Polícia Civil e Analistas de Inteligência, foi de grande ajuda para o desfecho do caso a colaboração da população e as denúncias anônimas recebidas, reafirmando o papel da sociedade na colaboração da justiça. Segundo os mesmos o trabalho integrado da Polícia Civil, Ministério Público e Justiça de Parnaíba tem gerado bons frutos, apesar das dificuldades enfrentadas.

Ainda conforme os investigadores, foi para incentivar ainda mais a ajuda da população e priorizar a aplicação da lei que foi criado um formulário de denúncias que muito tem ajudado a Polícia Civil local na investigação de crimes como este na região, que pode ser acessado através do seguinte link:

bit.ly/denunciapcphb

Fonte: costanorte