Fatores de risco da doença de Parkinson

Imagem: Brasil Escola

A doença de Parkinson é um distúrbio do sistema nervoso central que afeta o movimento, muitas vezes ocorrendo tremores.

A doença está associada à redução da dopamina, um neurotransmissor que atua enviando mensagens para as partes do cérebro que controlam os movimentos. Sem a dopamina, a coordenação e o controle motor ficam comprometidos. Os cientistas também não sabem o que causa a diminuição da dopamina. No entanto, fatores como a genética, a idade e questões ambientais atuam de forma ainda misteriosa.

Idade 

É o principal fator de risco para doença de Parkinson. Embora também atinja pessoas jovens, o risco de desenvolver a doença após os 60 anos fica entre de 2 a 4%, mais do que o dobro do risco da população geral.

Genética 

Cientistas já identificaram mutações genéticas que podem levar ao desenvolvimento da doença de Parkinson. No entanto, essas alterações são raras, e, quando detectadas, ocorrem em famílias com múltiplos casos da doença. A maioria das pessoas com doença de Parkinson não tem anormalidades nos genes.

Ambiental

Evidências científicas comprovam que fatores ambientais, como o contato com químicos tóxicos, metais pesados e pesticidas, podem provocar a morte dos neurônios responsáveis pela produção da dopamina.

A doença de Parkinson, não tem cura, apenas tratamentos para controlar os sintomas.

 

Drª Eliza de Oliveira Borges - CRM-GO: 14388 RQE: 9751 Graduação em medicina pela Universidade Federal de Goiás; Residência em Clínica Médica pelo Hospital de Urgências de Goiânia ( HUGO); Residência em Geriatria pelo Hospital de Urgências de Goiânia; Titulada em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG); Pós – graduação em Cuidados Paliativos pelo Instituto Pallium Latinoamérica/Medicina Paliativa, Buenos Aires- Argentina; Preceptora da Residência de Clínica Médica do Hospital  Alberto Rassi- HGG; Integrante do Núcleo de Apoio ao Paciente Paliativo ( NAPP), Hospital Alberto Rassi- HGG.